Previnir é a palavra de ordem para garantir a saúde ocular. A consulta médica deve ocorrer, pelo menos, uma vez por ano para um ‘check up’ da visão.
Os efeitos dos raios solares nos olhos são acumulativos, ou seja, os danos causados pela exposição ao sol hoje podem aparecer somente anos depois.
Quem mora em locais com intensa incidência dos raios solares, como é o caso de Manaus, deve estar atento às consequências da exposição ao sol à saúde. E esse assunto vai além da pele: é essencial também para os olhos. A prevenção é o melhor remédio quando o tema é saúde ocular. Assim como a pele, os efeitos dos raios solares nos olhos são acumulativos, ou seja, os danos causados pela exposição ao sol hoje podem aparecer somente anos depois.
 
“Geralmente é na segunda década de vida e após os 40 anos que começam aparecer os problemas na visão causados pelo sol”, explica o médico oftalmologista Manuel Neuzimar Pinheiro Junior .
 
De acordo com Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), do Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais (Inpe), Manaus tem períodos do ano com índice de radiação dos raios ultravioleta (UV) considerados “muito alto”. Isso ocorre geralmente entre os meses de junho a setembro. Para se ter uma ideia, em uma escala de 1 a 14, a radiação UV chega a atingir 11 no horário mais quente, geralmente entre 11h30 e 14h30.
 
“O fundamental mesmo é se prevenir, desde criança. Usar óculos escuros com filtro, fazer consultas periódicas e sempre procurar um médico, um profissional habilitado”, disse Neuzimar Pinheiro. O médico explica que os óculos precisam ter filtro de proteção contra os raios UVA e UVB, por isso, deve-se atentar para a procedência dos óculos. Cada modelo tem um nível de proteção diferente e quanto maior o grau de proteção, melhor.
 
“A cor, seja mais escuro, mas claro, marrom ou preto, não vai interferir na qualidade do filtro e nem proteger mais ou menos”, alerta Neuzimar Pinheiro. Outro ponto importante é evitar olhar diretamente para sol, mesmo com óculos. Na capital amazonense, a brincadeira de “papagaio”, ou “pipa”, como também é muito conhecida, é altamente perigosa para a visão. “A pessoa olha para o sol, durante horas, e isso vai trazer prejuízos muito graves no futuro. Mesmo de óculos, não é recomendável”, disse o médico.
 
Olhos constantemente vermelhos, irritados, ardor e hipersensibilidade à luz são alguns dos sinais de problemas na visão. “O problema é que nem sempre as doenças nos olhos dão sinais, por isso, o melhor mesmo é fazer a consulta periódica no oftalmologista, pelo menos uma vez por ano e só usar colírio com prescrição médica”, reforça.
 
Doenças
 
De acordo com o Neuzimar Pinheiro, as doenças mais comuns nos amazonenses, que têm influência do clima tropical, são a catarata e o pterígio, este último é popularmente chamado de “carne crescida”. Todos os dois casos necessitam de acompanhamento médico e tratamento específico, conforme o que for diagnosticado pelo médico. “Quanto antes descobrir, mas fácil de trata e evitar problemas irreversíveis, como a cegueira”, avisa o médico amazonense que é doutor pela Universidade de Brasília (UnB).
 
Como proteger a visão
 
-Evitar olhar diretamente para sol, mesmo de óculos escuros;
-Se possível, complementar a proteção com chapéu ou boné;
-Usar óculos escuros com filtro de proteção contra raios UV;
-Evitar exposição ao sol entre 10h e 14h;
-Fazer exames de rotina, uma vez por ano, com oftalmologista.
 
Saiba +
 
Índice de UV e saúdeConforme a Organização Mundial de Saúde (OMS), em locais com um índice de 1 a 2 de UV a pessoa pode ficar no sol o período que quiser. Já o índice de 3 a 5, consi-derado “moderado” e de 6 a 7 já é “alto”, sendo recomendado ficar exposta ao sol apenas até as 10h e depois das 16h. Os índices de 8 a 10 estão entre “muito alto” e “extremo”, como é o caso de Manaus. Nesses locais, a exposição ao sol deve ser evitada principalmen-te no horário entre 10h30 e 16h.

Deixe seu comentário